Publicado em 01/12/19

1 de dezembro – Morre o cronista Gomes Eanes de Zurara

gomes-eanes-de-zurara

Trata-se de um dos cronistas mais importantes da história portuguesa, suas obras são de uma profundidade e uma paixão avassaladoras. Nascido entre 1410 e 1420 o cronista nos deixou as seguintes obras, das quais as duas abaixo tive o prazer de ler e que agregar na bibliografia do estudo do livro e deste site. Recomendo.

A figura de destaque do artigo é do Padrão do Descobrimentos, construído no período de Salazar, para enaltecer o período do Descobrimentos e que conta com os principais protagonistas do período.


ZURARA, Gomes Eanes de, Crónica da tomada de Ceuta, 2 ª edição, Introdução, seleção e notas de Alfredo Pimenta – Titular Fundador da Academia Portuguesa da História –   Lisboa impressão em 1964, original escrito em 1450 – Divisão de Publicações e Biblioteca – Livraria Clássica Editora

ZURARA, Gomes Eanes de, Crónica dos feitos da Guiné, volume II, Lisboa impressão em 1949, original escrito em 1453 – Divisão de Publicações e Biblioteca – Agência Geral das Colônias


Segue abaixo a descrição feita pelo site do Padrão dos Descobrimentos em Lisboa sobre Zurara.

Em 1451, encontramo-lo como cronista-mor da Torre do Tombo, cargo que desempenharia até vésperas da sua morte. Poderemos estabelecer, no global das suas obras, duas áreas geográficas em que se verificou a intervenção portuguesa. A primeira área diz respeito à tomada de Ceuta, em 1415, ou seja, a fixação dos portugueses no norte de África. Assim, escreveu a Crónica da tomada de Ceuta (também conhecida por 3ª Parte da Crónica de D. João I) e as crónicas de D. Pedro de Menezes (primeiro governador de Ceuta) e de D. Duarte de Menezes, filho de D. Pedro de Menezes e capitão de Alcácer Ceguer.

A segunda área geográfica diz respeito ao avanço das navegações portuguesas exploratórias da costa ocidental africana e arquipélagos da Madeira e Açores. Para tal, escreveu a Crónica dos Feitos de Guiné (também conhecida por Crónica de Guiné), que, segundo a opinião de alguns autores, será uma refundição de duas obras suas, a Crónica dos Feitos de Guiné e um panegírico do Infante D. Henrique.

As suas Crónicas apresentam-se como panegíricos de algumas individualidades, príncipes ou cavaleiros, sendo um exaltamento dos feitos de uma aristocracia guerreira. A concepção da história de Zurara é cavaleiresca e providencialista, sendo praticamente omissa sobre os fenómenos colectivos que Fernão Lopes tão bem tinha descrito nos seus relatos. O estilo retórico e grandiloquente reforça a narrativa dos grandes feitos.

 

 

 

 

CATEGORIAS:
TAGS:
Autor
Prof. André Mafra

Andre Mafra

  Estudioso da área de culinária desde 2010, dedica-se a pesquisar e estudar sobre alimentação e especiarias. Realizou viagens aos… Continue lendo.

Error: Access Token is not valid or has expired. Feed will not update.
This error message is only visible to WordPress admins

There's an issue with the Instagram Access Token that you are using. Please obtain a new Access Token on the plugin's Settings page.
If you continue to have an issue with your Access Token then please see this FAQ for more information.

Instagram

Tópicos recentes

Comentários

Arquivos

Meta

Páginas