Publicado em 20/02/16

Alecrim

AlecrimRosamarinus officinallis

Espanhol: Romero; Português (Pt): Rosmaninho; Francês: Romarin; Inglês: Rosemary


 

Alecrim nas ruas de Ouazarzate, Marrocos
Alecrim nas ruas de Ouazarzate, Marrocos

Em minhas andanças pelo Marrocos, encontrei alecrim por todo lado. Em diversas cidades, a erva cresce como mato, sempre em terra seca. Não foi uma só vez que parei diante de um arbusto de alecrim para sentir seu perfumado aroma e esquecer um pouco do forte calor.

O Mediterrâneo é o berço do alecrim, nome que vem do latim e significa orvalho do mar, pois se desenvolve preferencialmente em regiões costeiras expostas à atmosfera litorânea – por isso, é chamado também de rosa marinha -, cujo solo é seco e rico em cálcio[1]. De um início restrito à costa mediterrânea, o alecrim espalhou-se por quase todo o mundo.

Diz a lenda que o pequeno arbusto só se desenvolve no quintal dos bons e justos – ainda bem que na pequena horta de casa ele vingou! Para os gregos, é considerada a flor por excelência e servia para ornar a coroa na cabeça dos merecedores, fato que também ocorria com o louro. A utilização da erva teve grande prestígio durante a Idade Média e Renascença, quando sua utilização era associada à fecundidade e a diversos benefícios terapêuticos[2], que iam desde efeitos estimuladores até unguentos que faziam nascer cabelo!

No Brasil, seu nome é divertidamente usado para que as pessoas apareçam sorrindo nas fotos. Basta dizer “alecrim” enquanto o fotógrafo aperta o botão da câmera. E por falar em foto, ele está publicado neste livro junto a outras ervas mediterrâneas. Uma pena que a imagem não consiga expor o intenso aroma que toda a planta do alecrim exala.

O alecrim perfuma e realça o sabor dos alimentos, com a vantagem de ser uma erva perene, o que facilita o uso fresco desta especiaria. A versão desidratada pode durar por muitos meses, mas seu poder aromático diminui, mas o inconveniente é que suas pequenas folhas pontiagudas podem se desprender com facilidade do galho, cair no prato e desagradar os mais exigentes. Para evitar essa situação, sugiro utilizar galhos frescos inteiros no início do preparo dos pratos, mantidos durante o cozimento e retirados no final. Para que o alecrim não perca suas características, guarde-o em geladeira, em embalagem que não permita entrada de luz[3].

O alecrim fica muito bem quando utilizado em molhos de tomate, omeletes, sopas, pães de ervas, conservas, batatas e cenouras cozidas, tempero de azeitonas, cogumelos e até em sucos de frutas como o de limão! Outra boa utilização desta erva é no preparo de azeites aromatizados. Basta deixá-lo curtir em um recipiente junto de um azeite de boa qualidade. Impossível viver sem ele.


 

[1]              Linguanotto em Dicionário de Ervas e Especiarias página 28.

[2]              Optei por evitar divulgar os benefícios terapêuticos a fim de poupar o leitor de eventuais riscos à saúde. Sugiro a utilização de qualquer condimento com parcimônia e com o objetivo de dinamizar o sabor dos alimentos somente.

 

 

[3]              Excelente dica de Roberto Araújo em seu Ervas & temperos, página, 16.

 

CATEGORIAS:
TAGS:
Autor
Prof. André Mafra

Andre Mafra

  Estudioso da área de culinária desde 2010, dedica-se a pesquisar e estudar sobre alimentação e especiarias. Realizou viagens aos… Continue lendo.

Error: Access Token is not valid or has expired. Feed will not update.
This error message is only visible to WordPress admins

There's an issue with the Instagram Access Token that you are using. Please obtain a new Access Token on the plugin's Settings page.
If you continue to have an issue with your Access Token then please see this FAQ for more information.

Instagram

Tópicos recentes

Comentários

Arquivos

Meta

Páginas