Publicado em 23/03/16

Portugueses se lançam em África – A busca por especiarias, ouro e escravos

Portugueses se lançam em África

“A história das explorações portuguesas não  é uma história de homens exóticos e originais em pitorescos barcos demadeiras. É uma história de paixão, de sangue, de incomparável coragem,de majestosa arroubos de visão, da construção de nações e de impérios. É um drama encenado no palco do mundo.”

Ronald J. Watkins

 A busca por especiarias, ouro e escravos

Com as portas fechadas para o Oriente com a tomada de Constantinopla pelos turcos otomanos em 1453, temos um momento histórico muito interessante que desenhou o surgimento de uma força dos países ibéricos, Portugal e Espanha, que iria sacudir o mundo e que determinou os destinos das Américas.

Torre de Belém em Lisboa
Torre de Belém em Lisboa

A Europa estava conspurcada de misticismo e supertições advindas de séculos de forte influência religiosa. Até meados do século XV, acreditava-se na existência de seres híbridos e até monstros[1] que habitavam terras longínquas, além das fronteiras conhecidas como além-mar, ou ainda ilhas e fundo de oceanos. Progressivamente, os europeus aperfeiçoaram a tecnologia da construção naval, desenvolveram a astronomia e romperam com antigos paradigmas e dogmas.

Venezianos e genoveses já navegavam com desenvoltura pelo sempre disputado Mediterrâneo, cujas águas calmas e limites geográficos facilitavam o comércio. No entanto, no caso dos lusos, sobrava a opção de encarar e domar o desconhecido e misterioso oceano Atlântico, que para os navegantes da época parecia não ter fim.

Ao final da Idade Média, havia a necessidade de uma solução aos preços praticados pela aliança árabe-italiana. Portugal sofria um forte revés em sua economia e o mercado carecia de metal, ouro e prata para cunhar moeda. A busca pelo comércio das especiarias consistia em um meio eficiente, mas não fácil, de expandir as atividades e estabilizar a situação econômica.

A burguesia e a nobreza também ansiavam por uma solução, enquanto o povo tinha a sede de consumo pelos produtos do Oriente. Podemos dizer que houve, nesse momento, uma união entre quase todas as escalas da sociedade. A nobreza apoiava e dava liberdade à nova burguesia, ávida por comercializar e ganhar o Oriente. Agricultores, jovens, crianças, sacerdotes, estudiosos – todos se uniram para o projeto de viagem ultramarina.

Tudo estava a favor dos portugueses. Havia um momento mágico nos mares asiáticos, pois Veneza estava totalmente empenhada no comércio no Mediterrâneo, enquanto franceses e ingleses se anulavam na eterna guerra dos Cem Anos. A China, por sua vez, retirava seu foco do comércio marítimo. Ou seja, favorecidos por esse contexto, os portugueses praticamente atingiram o monopólio do comércio nos mares da região.

[1]             Destaca Luis Adão em De Vasco a Cabral, página 163.

Copyright.svg

por Prof André Mafra

para saber mais

 

Salvar

CATEGORIAS:
TAGS:
Autor
Prof. André Mafra

Andre Mafra

  Estudioso da área de culinária desde 2010, dedica-se a pesquisar e estudar sobre alimentação e especiarias. Realizou viagens aos… Continue lendo.

Error: Access Token is not valid or has expired. Feed will not update.
This error message is only visible to WordPress admins

There's an issue with the Instagram Access Token that you are using. Please obtain a new Access Token on the plugin's Settings page.
If you continue to have an issue with your Access Token then please see this FAQ for more information.

Instagram

Tópicos recentes

Comentários

Arquivos

Meta

Páginas