Publicado em 23/03/16

A queda de Constantinopla – e o fechamento do Oriente para a Europa

A queda de Constantinopla – e o fechamento do Oriente para a Europa

Constantinopla tinha uma importância vital no comércio por terra e mar das preciosidades do Oriente e sua prosperidade econômica atraía comerciantes e visitantes de diversas partes do globo, todos fascinados por suas riquezas, entre elas seda[1], ouro, cera, marfim, âmbar, pérolas, peles, escravos e, claro, as supervalorizadas especiarias. Com uma política externa conservadora e tradicional, o Estado proibia a exportação de todos os produtos essenciais à saúde da economia, garantindo sua hegemonia comercial, e oferecia um forte sistema de ensino.

Antiga igreja bizantina Haya Sophia, depois mesquita e atualmente Museu
Antiga igreja bizantina Haya Sophia, depois Mesquita e atualmente um Museu

No esplendor desse império, Constantinopla constituiu-se como um centro de saber, comércio e expansão cristã. Foi considerada o centro do governo de Cristo na Terra e os bizantinos, seus habitantes, se autodeclararam líderes do cristianismo verdadeiro e seus missionários se espalharam pelas nações, entre elas as eslavas, a russa e outras. Por tudo isso, assumiu uma postura de papel de guardiã de diversas relíquias cristãs. Constantinopla não só admirada, mas desejada.

Desde sua fundação, os ataques foram muitos: só entre 600 d.C e 1100 d.C, a cidade foi sitiada nove vezes[2], já de 1123 até 1453, foram mais de vinte ataques, e sua persisntente resistência fez sugir lendas da invencibilidade de suas muralhas. Um dos principais fantasmas do Império Bizantino, os persas, com quem uma rixa perdurava desde a época dos gregos, foram finalmente derrotados em 628 d.C. Só que, mal comemoravam a vitória sobre os antigos inimigos, já nascia o movimento que mais ameaçaria Constantinopla: a expansão islâmica, cuja expansão se deu rapidamente após a morte de Maomé. O sonho do Profeta do Islã, dizia a lenda, era fazer da cidade o centro sagrado da fé islâmica. Após sua morte, os bizantinos perderam Jerusalém, Síria, Egito e outros tantos territórios considerados sagrados para a ortodoxia cristã bizantina, muitos locais por onde os grandes homens do cristianismo haviam se deslocado foram tomados, dos quais vários permanecem até hoje.

Não à toa, as riquezas e sua localização privilegiada a fizeram ser vítima inclusive de um ataque desferido por venezianos, a princípio defensores do cristianismo, cujo evento foi batizado de quarta cruzada em 1204, que por ironia acabou enfraquecendo em muito a cidade cristã de Constantino que iria sucumbir definitivamente ao Islã pelos turcos otomanos em 1453.

[1]             A seda de Constantinopla era tingida com a chamada púrpura real, extraída de um molusco do gênero Murex. Sua cor era reservada aos membros da família imperial.

[2]             Geoffrey Blainey em Uma breve História do Mundo.

para saber mais…

por Prof. André Mafra Copyright.svg

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

CATEGORIAS:
TAGS:
Autor
Prof. André Mafra

Andre Mafra

  Estudioso da área de culinária desde 2010, dedica-se a pesquisar e estudar sobre alimentação e especiarias. Realizou viagens aos… Continue lendo.

Error: Access Token is not valid or has expired. Feed will not update.
This error message is only visible to WordPress admins

There's an issue with the Instagram Access Token that you are using. Please obtain a new Access Token on the plugin's Settings page.
If you continue to have an issue with your Access Token then please see this FAQ for more information.

Instagram

Tópicos recentes

Comentários

Arquivos

Meta

Páginas